Entrevista exclusiva com Pattie Boyd (Harrison)

Entrevista exclusiva com Pattie Boyd
(Harrison)

Por Marco Antonio Mallagoli
e Edmea Mallagoli
Revisão por Daddy Lilian Mallagoli

Dedicamos essa entrevista a nossa querida amiga Audrey Copping.

pat-autografo
Foto autografada por Pattie Boyd

Acredito que todos os fãs dos Beatles conheçam a modelo inglesa e ex-esposa de George Harrison, a Pattie Anne Boyd. 
Imitada no mundo por milhares de garotas até os dias de hoje, pela sua beleza, postura e charme, deixou registrada na história sua influência no padrão de beleza de várias gerações.
No dia em que eu liguei  para pedir a entrevista, a ligação caiu numa caixa postal e eu pensei – vai ser difícil acontecer. Mas algumas horas depois, meu celular toca e era ela me ligando.
Meu Deus, eu não podia acreditar que era Pattie Boyd me ligando, mas era verdade! Marcamos a entrevista, em Londres, para 4 de setembro de 2012, às 16h, no  escritório dela.
Juro para vocês – o tempo não passava, e eu não via na hora de encontrar esse ícone.

IMG 0988-netPattie e Mallagoli após a entrevista

IMG 0990-net
Pattie e Edméa após a entrevista

Eu e Edméa fomos para o escritório dela no horário marcado e para nossa surpresa ela atrasou 20 minutos, mas apareceu.
Eu fiquei muito emocionado quando a vi e não sabia por onde ou como começar, apesar de ter preparado antes as perguntas, mas ela nos deixou bem à vontade e, após combinarmos como seria a entrevista, nos sentamos e começamos.
Ela contou histórias muito interessantes e adicionou algo a fatos que eu já conhecia. De qualquer forma, nada como ouvir a história de quem estava vivenciando a mesma.

George-and-Pat-2Pattie e George no dia do casamento

(Para facilitar resumimos as perguntas de REVOLUTION para REV e de PATTIE para PAT nas respostas).

REV:  Como era o George?
PAT: Um cavalheiro, bondoso, doce, engraçado, uma pessoa incrível.

REV: Como era o John?
PAT: Super ligado, engraçado, estranho, distante e um grande talento.

REV: Como era o Paul?
PAT: Adora dar uma entrevista, quer estar sempre na mídia e tem um senso de humor diferente.

REV: Como era o Ringo?
PAT: Adorável, muito doce.

REV: Como foi a gravação do filme “A Hard Day´s Night”?
PAT: Foi bem divertida, minha parte foi dentro de um trem e passei o dia todo com eles.
Dei muitas risadas.

REV: Você era fã deles?
PAT: Não ainda, mas eu estava ligada no que acontecia com eles.

REV: Como foi participar da gravação da música “Birthday”?
PAT: Eles queriam a gente na música, pois queriam algo “família”, e fomos todas convidadas a participar. Foi inesquecível cantar junto com eles ao mesmo tempo, pois fizeram questão de todo mundo cantar junto. Acho que essa música é do Paul, não?
REV: Sim é dele, e o Ringo não estava nas sessões de gravação.

REV: Você participou de algum outra música dos Beatles?
PAT: Sim, da “Yellow Submarine”. Fazendo barulhos, ruídos, gritando e toda aquela bagunça que tem na música junto com eles. Foi muito divertido.

REV: A temporada na Índia me pareceu ser um tempo que o George curtiu muito. Você também curtiu, ou apenas o acompanhou?
PAT:  Eu também curti muito, pois eu adoro meditação, a ideia de ter o conhecimento da vida, a inspiração, foi um período da nossa vida maravilhoso.

pat-and-manahishiPaul, Maharishi, George e Pattie na India

REV: E como foi com o Maharishi?
PAT: Ele é uma pessoa muito sábia, uma pessoa maravilhosa que sabe das coisas que ninguém sabe.

REV: Mas e a história com a irmã da Mia Farrow, a Prudence, aconteceu ou foi tudo invenção do “Magic Alex”, que, dizem, estava cansado de ficar na Índia e queria voltar a Inglaterra?
(N.R. Trata-se do famoso episódio que o Maharishi tentou  assediar a Prudence e daí ela se recusou a sair do quarto. Ao saber disso, John resolveu acabar com a história da meditação e voltar à Inglaterra, e compôs “Dear Prudence”, além de “Sexy Sadie”, ambas no “White Album”.)
PAT: Eu me lembro que ela não queria sair do quarto, mas não sabíamos o porquê. Não creio que o Maharishi tenha feito isso, mas me lembro de que o John ficou furioso e resolveu que todo mundo tinha de ir embora dali o quanto antes e ele foi enfrentar o Maharishi. Naquele momento eu não sabia o que estava acontecendo, só fiquei sabendo depois.
Essa versão do “Magic Alex” até que pode ter acontecido, pois ele não queria ir, e quando chegou lá, ficou aborrecido o tempo todo.
Me lembro bem da explosão do John, mas eu e George não queríamos voltar, tanto que ficamos ainda um tempo na Índia, em outra região; fomos para o Sul.

bangladeshGeorge Harrison, Bob Dylan e Leon Russel durante o "Concert for Bangla-Desh"

REV: O que aconteceu no “Concert for Bangla-Desh” entre o George e o John? É verdade que o John queria a Yoko no show e o George não quis e eles discutiram e o John não participou do show? O John teria então ficado na plateia?
PAT: Tudo isso é bem possível, não me lembro, mas sei que o John queira sempre a Yoko com ele, onde ele fosse, e o George nesse show não ia aceitar isso. Eu acho que foi isso mesmo que aconteceu.

REV: Como era a Yoko?
PAT: Uma privilegiada em ir aos estúdios, quando todas as outras esposas eram proibidas, e ela nem era a esposa dele. E isso chateou George e Paul, eu acho, e eles acabaram discutindo sobre isso. Ela levou John a outra direção. Antes dela aparecer ele era uma pessoa bem família e, quando ela surgiu, ela queria o John só pra ela. Mas eu a acho uma boa pessoa, nada contra ela.

REV: E a Linda, como era seu relacionamento com ela?
PAT: A Linda era uma pessoa bacana, bem legal, um doce de pessoa, mas ela ficava mais no campo com o Paul e não tivemos uma amizade, pois eles eram muito distantes.

REV: E a Maureen?
PAT: Eu a conheci logo que ela veio de Liverpool com o Ringo e ficamos muito amigas, bem no início de tudo. Ela era muito simpática, adorava dançar, era uma ótima dançarina e ajudava muito o Ringo e me ajudou com o George também.

REV: E a Cynthia?
PAT: Cynthia é muito bacana, e vive muito feliz com o marido dela, hoje em dia, em Majorca.

George-and-Pat-2Pattie e George

REV: Quando o George compunha uma música, como ele agia? Você teve alguma participação em alguma canção dele, durante o processo criativo?
PAT: Ele andava  sempre pela casa com uma guitarra, um pedaço de papel  e um gravador k7. No início ele não se animava muito a compor, pois não tinha espaço nos discos, depois eles abriram para ele colocar duas musicas o que já era alguma coisa, mas não o suficiente para ele, então ele não se dedicava muito a compor no começo, mas depois ele pegou o gosto e não parou mais, mesmo sabendo que não conseguiria gravar mais do que duas músicas em um disco.
(N.R. Sentimos uma certa mágoa nela ao falar isso.)
Ele tinha um pouco de dificuldades em escrever letras, mas fazia melodias maravilhosas. Tudo que ele via, ele tentava colocar na letra da música, às vezes ele me pedia ajuda e opinião. Eu me lembro bem quando ele fez “Something”. (N.R. Ela dá uma pausa, como se estivesse revivendo o momento.)
Eu me lembro de uma música que ele começou a letra com palavras estranhas, como diagramas e coisas assim, e daí ele viu uma caixa de chocolates, onde tinha um monte  de nomes na caixa, como era mesmo a música?
(N.R. Então ela canta um pedaço de “Savoy Truffle” e eu lembro a ela o nome da música. A caixa era dos chocolates Mackinosh´s Good News.)
Não me lembrava do nome dela, mas ele fez  a letra toda inspirado nessa caixa de chocolates, e eu adoro essa música.
Outra de que eu gosto é “Isn´t it a Pity”, acho maravilhosa.

pattieandgeorgemarriageGeorge e Pattie em lua de mel

REV: O que você acha do livro da Cris O'Dell?
PAT: Eu acho que ela foi muito corajosa em contar certas coisas no livro, afinal ela era uma “groupie”, mas achei honesto. Ela me mandou apenas alguns trechos do livro, não li inteiro. Eu não teria coragem de escrever tudo aquilo que ela escreveu.
REV: No início do livro, ela conta que o George  gravou a música “Savoy Truffle”  em "Abbey Road" e, até onde sei, ele gravou no Trident Studios.
PAT: Sim, ele gravou no Trident. Ela deve ter se enganado.
REV: Ela conta que levava vinho ao George e que, em uma das gravações, ela bebeu tanto que dormiu no estúdio de “Abbey Road”, só acordando no dia seguinte.
PAT: Não sei, pois essa parte do livro eu não vi.

(N.R. – No livro, que por sinal é muito bom, a Cris O'Dell conta em um capítulo especifico sobre a gravação de “Savoy Truffle” e afirma ter sido em Abbey Road. Pelo livro do genial Mark Lewisohn, em que constam detalhes de todas as gravações dos Beatles, “The Beatles Recording Sessions”, George gravou essa música no “Trident Studios” nos dias 3 e 5 de outubro de 1968. No dia 11 de outubro, foi feita em “Abbey Road” uma sessão em que foram colocados os metais e, no dia 14 de outubro, ele adicionou uma segunda guitarra, órgão e pandeiro, portanto não há nenhum registro dele ter gravado apenas a voz, como ela conta no livro, em “Abbey Road”. 
Já assistimos a algumas palestras no “Trident Studios”, em Londres, onde eles falam com orgulho, sobre essa gravação e mostram os registros. Mandamos e-mail a Cris O`Dell com essa dúvida.

Resposta da Chris O`Dell sobre o assunto acima
Hi Marco,
Desculpe pela demora em responder, mas estive doente a semana passada, mas agora estou bem melhor.Você sabe, um monte de faixas começaram a ser gravadas em Abbey Road e terminaram no Trident.
E possível que isso tenha acontecido, obviamente, que eu estava "um pouco bêbada", mas são essas as lembranças que tenho guardadas comigo nesses "mais de quarenta anos"!
A maioria do "White Album" foi gravada em Abbey Road. De fato estou surpresa que algumas delas tenham sido gravadas no Trident, pois nos só o usávamos para os outros artistas da Apple.
E obrigado pela matéria sobre meu livro, espero que seja boa.
Chris

pat-george-john-and-cyn
George, Pattie, Cynthia e John

REV: Como foi a história com o “Dr. Robert”? Eu já li depoimentos do John e  da Cynthia, mas nunca li nada seu, nem do George.
PAT: Fomos convidados a jantar na casa do nosso dentista, eu, George, John e  Cynthia e tudo correu normalmente. Quando íamos nos despedir, ele trouxe um café e tomamos. Foi então que ele disse que não podíamos sair, pois ele tinha colocado LSD no café e ele queria ver a nossa reação. Como você sabe, não é uma droga que passa rápido, seu efeito é longo.
John ficou louco quando ele disse isso e resolvemos ir embora assim mesmo, entramos no Mini Cooper do George e tudo começou a ficar estanho.
Quando percebemos, ele estava nos seguindo e, quando olhei pra ele, ele parecia um “porco gigante”. Tudo em nossa volta ficou estranho.

REV: Você e George estavam em uma festa na casa de Keith Richards e a polícia esperou vocês saírem para dar uma batida. Você sabe o porquê disso? Os Beatles tinham alguma proteção?
PAT: Não, foi apenas coincidência, tanto que alguns meses depois eles foram a nossa casa atrás de drogas.

REV: Essa era minha próxima pergunta – o que realmente aconteceu?
PAT: Foi muito estranho. Tinha um tal de Sargento Pilcher (N.R. Que o John se refere a ele na música “Iam the Walrus”- "Semolina Pilchard") que resolveu ficar famoso e prender todos os grandes astros do rock,e ele apareceu em casa com uma equipe atrás de haxixe, mas não tínhamos haxixe em casa, apenas marijuana. Daí eu disse a ele que se quisesse a marijuana, eu entregava, mas eles disseram que queriam haxixe, e enfiaram um monte nos sapatos de George - eles que levaram, não tínhamos isso em casa. George viu isso e ficou muito bravo, mas não podíamos fazer muito, pois eles plantaram isso em casa.
Sei que anos depois o famoso sargento foi pra Austrália e foi preso por fraude.


iam-the-walrus
Cena do filme "Magical Mystery Tour" onde os Beatles cantam "Iam The Walrus"

REV: Em janeiro de 1969, George deixou os Beatles por uma semana, durante as gravações de “Let it Be”, e depois voltou a banda. O que aconteceu e como ele se sentiu nesse período?
PAT: George ficou muito chateado em pensar em não tocar mais com os Beatles.

IMG 0989-netPattie e Mallagoli

IMG 0991-net
Pattie e Edméa

Em tempo  - ela não tem Facebook, todas as páginas que aparecem com o nome dela são falsas.

Com essa pergunta nós agradecemos a atenção e o carinho dela - Thank you Pattie. Ela gravou uma pequena mensagem a vocês que está abaixo, e depois nos disse que tem muita vontade de vir ao Brasil para trazer a mostra de fotos dela. Patrocinadores: habilitem-se!